TTS promove ciclo de debates sobre violência contra a mulher

Na manhã da última sexta-feira, 19 de julho, aconteceu mais um workhop da série “Violência Doméstica e Apoio à Mulher”, no Residencial Santa Luzia, no Jardim Santa Lúcia, região Sul de Campinas. Este terceiro evento é mais uma realização do Trabalho Técnico Social (TTS) desenvolvido pela Companhia de Habitação Popular de Campinas (Cohab-Campinas) junto aos beneficiários do Programa Minha Casa Minha Vida (PMCMV). 

 

A palestrante foi a Dra. Maria Helena Taranto Joia, delegada que atua no Departamento de Polícia Judiciária da capital, Delegada da Mulher e do Setor de Homicídios e Proteção à Pessoa, em Campinas.

 

De acordo com a especialista, o atendimento realizado na Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) é humanizado, pois as pessoas que procuram atendimento contam com o acompanhamento de psicólogos e assistentes sociais disponibilizados por meio de convênios com universidades. Explicou, ainda, porque a lei Maria da Penha foi implantada.

 

 

 

“Em 1983 a enfermeira Maria da Penha Fernandes levou um tiro de espingarda disparado pelo marido enquanto dormia. Como sequela, perdeu os movimentos das pernas, tendo que viver em uma cadeira de rodas. Usando a força da lei, a ideia é orientar as mulheres para que elas criem coragem de denunciar casos de violência”, afirmou.

 

 

 

A delegada contou também que foi criada uma brinquedoteca para as crianças vítimas de violência doméstica ou filhos de mulheres violentadas para que possam ter uma estadia mais humanizada durante o atendimento. 

 

 

 

Para a assistente social da Cohab-Campinas, Graziela dos Santos Galdino de Souza, esse tipo de palestra faz toda a diferença.

 

 

 

“Eu e a estagiária Nathália Bazotte de Lima temos insistido para que as mulheres se sintam encorajadas e verbalizem quando houver algum caso de violência familiar. Insistimos para que elas saiam da concha desejando que a dor da violência se transforme num grito de liberdade e que elas procurem o Disk-Denúncia, sistema que garante inclusive o anonimato do denunciante”, declarou.

 

 

 

No próximo dia 30, no mesmo local, às 10h, a palestrante convidada é a Dra. Teresinha de Carvalho, delegada aposentada e assessora técnica da Secretaria Municipal de Cooperação nos Assuntos de Segurança Pública.

 

No mesmo dia será apresentada a peça de teatro “Até quando Maria? Até quando!”, trabalho em que os atores são guardas municipais que fazem parte do projeto Integração (Proin).

 

O ciclo de palestras tem o apoio da Prefeitura Municipal de Campinas, Secretaria Municipal de Habitação e Caixa Econômica Federal. O Residencial Santa Luzia fica à Rua Madre Teresa de Calcutá, número 360, Jardim Santa Lúcia.