Tradição da Folia de Reis movimenta a cidade a partir de sábado, dia 6

“A bandeira se despede/mas não deixa desengano/

se despede prometendo/de voltar num outro ano.” (Grupo Folclórico Campinense)

 

 

 

Manifestação cultural brasileira secular, a Folia de Reis, que recria a peregrinação dos três Reis Magos em visita ao menino Jesus, volta a movimentar a cidade a partir deste sábado, 6 de janeiro, com cantadores e instrumentistas entoando versos. A programação se estende até 28 de janeiro com a participação das comitivas Ases do Brasil, Estrela Guia, Folclórico Campinense, Voz do Oriente e São José Operário. 

 

 

No sábado, dia 6, às 9h, são abertos os festejos das chegadas das folias com o cortejo da Companhia Ases do Brasil, que irá se concentrar na Praça Rui Barbosa, atrás da Catedral, e subirá a Rua Treze de Maio até o Museu da Cidade. 

O público poderá participar das festas com os personagens Mestre, Contra-Mestre, os Três Reis Magos, Palhaço e Foliões, que fazem evoluções coreográficas, acompanhados dos cantadores e instrumentistas.

 

 

Segundo registro do Núcleo de Pesquisa e Apoio às Companhias de Santos Reis de Campinas,“há décadas as folias de reis da cidade entoam seus cantos, toques e trovas em giros e festas, fazem brilhar a força de uma estrela imemorial estampada nas coloridas bandeiras e nos seus gestos de união e fé. Diferente das formações rurais, constituídas essencialmente por núcleos familiares, as folias daqui são formadas por imigrantes provindos de diversas partes do Brasil, hoje moradores dos bairros periféricos da cidade. A estrela guia destes homens e mulheres, que se rearranjam aos novos tempos e difundem a devoção, os sons e as relações da cultura caipira, em sua multiplicidade, nesta grande metrópole. As companhias reúnem-se e vão para onde quer que sejam chamadas, alegram casas, ruas e festas, principalmente na época natalina, quando revivem de forma musical e poética a caminhada dos três reis magos Baltasar, Belchior e Gaspar, até o nascimento do menino Jesus.”

 

 

Grupos

Companhia Estrela Guia

Conhecida na cidade por seu rigor nos toques e cantos e por ter a maior parte de seus componentes provindos da região rural de Fernandópolis (SP). Há 18 anos, o grupo une os foliões que moram em vários bairros de Campinas e em cidades vizinhas para continuar sua tradição. Realizam sua chegada sempre no 3º domingo de janeiro na singela Igreja dos Santos reis do jardim Monte Cristo, construída com o esforço dos foliões.

 

 

Companhia Voz do Oriente 

Em 1970, algumas pessoas provindas de diferentes estados se uniram na época de Natal e saíram pelos bairros cantando, tocando e rezando o terço de casa em casa. Hoje, depois de 48 anos, a tradição do Giro, do terço e da missa cabocla da Companhia Voz do Oriente é bastante forte e tem o apoio da arquidiocese de Campinas. O grupo possui mais de 25 participantes, incluindo crianças na composição das vozes, e reúne pessoas de Campinas e região metropolitana de campinas. Realiza anualmente, de novembro a janeiro, seu giro por diversos bairros de Campinas, Sumaré e Hortolândia. A festa de chegada ocorre sempre em um lugar diferente, ao final dela são coroados um rei e uma rainha que serão os festeiros do outro ano, aqueles que organizarão o local e a data da próxima festa.

 

 

Companhia São José Operário

O grupo foi criado em 1986 e teve como mestre José Cassimiro, falecido em 2007, e José Rodrigues de Farias, mais conhecido como Mestre Coquinho, falecido em 2009. Atualmente, tem Anésio Manoel como presidente e João Soares de Macedo como mestre-embaixador. A companhia organiza há 10 anos sua festa de chegada na Igreja Santo Expedito do Jardim Ouro Verde e realiza o Giro por vários bairros da cidade. Os integrantes são, na sua maioria, de Minas Gerais e alguns do interior de São paulo, e há entre eles crianças e adolescentes que dão ao grupo o ar de vitalidade, em especial as acrobacias do jovem bastião Jhonantan que trova com destreza e alegria os versos aprendidos com seu avô José Cassimiro. Sobre esta companhia foi lançado, em 2010, o livro Histórias e Memórias de Folias de Reis, escrito por Daniel Costa e lançado pela editora Ituiutaba.

 

 

Companhia Azes do Brasil 

A Companhia inicialmente chamou-se Mineiros, atuava na cidade de Boa Esperança (MG) e tinha José Vilela e Geraldo Serafim como guias e mestres. Atualmente o grupo é representado pelo mestre embaixador Sebastião Vitor Rosa (Tião Mineiro), que está à frente da companhia desde seus 15 anos. O grupo realiza, há mais de 20 anos, sua jornada anual, em especial, na Vila Brandina, em Joaquim Egídio, Fazenda Bradesco, entre outros. Também já realizou apresentações em encontros culturais e de Folias de Reis em Brasília e cidades como Nazaré Paulista, Rio Claro, Sumaré, Olímpia, Assis e Jaguariúna. Organizam o Encontro de Folias de Reis em Barão Geraldo. A Companhia traz em suas cores vibrantes e cantos festivos a força da fé e muitas histórias de milagres de sua bandeira.

 

 

Companhia Grupo Folclórico Campinense

O grupo é originário da região rural de Santa Quitéria do município de Caconde (SP) e surgiu em meados de 1930. Alguns de seus integrantes migraram para Campinas na década de 1970 e aqui continuaram a tradição. Um dos mestres-embaixadores mais velhos é Roque José de Faria (Seo Roque), que assumiu esta função aos 17 anos, e continua em atividade até hoje, levando seu conhecimento para a quarta geração. Seo Roque também foi o fundador de outro grupo natalino, o Pastoril de Menino Jesus, em 1940. Diferente do que costuma acontecer nos grandes centros urbanos, este grupo tem sua formação de origem composta, em sua maioria, por familiares. O grupo possui sede própria, fundada em 1996, e realiza anualmente o Giro visitando mais de 100 casas, por meio de convites de famílias que também preservam a devoção aos Santos Reis. As mulheres são as guardiãs da bandeira cuidando e levando-a nos cortejos das apresentações e participam da diretoria do grupo. Sua beleza está nos versos cantados, na melodia, no sorriso senil, na devoção, nas histórias e memórias de seus bravos integrantes.

 

 

 

Confira a programação das chegadas das folias

 

 

Dia 6, sábado

9h – Companhia Ases do Brasil – Cortejo da Praça Rui Barbosa (atrás da Catedral), subirá a Rua Treze de Maio, com chegada no Museu da Cidade (Av. Andrade Neves, s/n).

19h30 – Companhia Estrela Guia – Igreja dos Santos Reis (Rua Fauze Selhe, s/n. Jardim Monte Cristo.

 

 

Dia 14, domingo, 15h 

Grupo Folclórico Campinense – Na sede do grupo (Rua Almirante Custódio José de Melo, 320).

 

 

Dia 20, sábado, 16h 

Grupo Voz do Oriente – Paróquia Conceição de Nova Aparecida (Rua Dom Agnelo Rossi, 512. Padre Anchieta).

 

 

Dia 21, domingo, 12h 

Companhia São José Operário – Na Igreja Santo Expedito Av. Jacaúna, 2.517 Jd. Ouro Verde).

 

 

Dia 28, domingo

10h – Encontro das cinco companhias e convidados. Na Associação da Folia de Reis de Campinas (Asfrecam) – Rua Humberto de Campos, 183 Vl. Castelo Branco.

17h – Companhia Estrela Guia – Na Igreja Santa Maria Madalena Postel (Rua Santa Maria Madalena Postel, nº 84 – Jardim Yeda).