Trabalho Social da Cohab promove atividades no Residencial Santa Luzia

Em homenagem ao Dia Internacional do Idoso, comemorado no dia 1º de outubro, o Trabalho Técnico Social (TTS) da Cohab Campinas realizou uma série de atividades no Residencial Santa Luzia, localizado no Bairro Santa Lúcia, na região Sudoeste do município.

 

Com o intuito de integrar as várias gerações, a professora da PUC Campinas, Maria Virgínia Camilo, realizou uma roda de conversa com os moradores. Entre crianças, adolescentes, adultos e idosos, a conversa se desenvolveu entre a importância de fazer aquilo que se gosta e respeitar a vontade do outro, mesmo que o choque de gerações seja grande. De acordo com Maria Virgínia, a qualidade de vida do idoso está aumento e a expectativa de vida já é muito maior do que nas décadas de 40 e 50, em que se viva em média 50 anos.

 

Se os idosos estão vivendo mais, isso significa que a população idosa tende a aumentar cada vez mais, portanto é necessário não ter apenas respeito, mas uma convivência saudável entre as gerações. “Existe uma diferença entre envelhecer com independência e envelhecer sendo dependente de alguém, não no sentido financeiro, mas físico, mental e emocional”, coloca Maria Virgínia. Segundo a professora existem pesquisas em Campinas, que apontam que os idosos, especialmente em regiões periféricas, são quem, em muitos casos, garantem a única renda fixa da família, através da aposentadoria que chega no final do mês.

 

De acordo com Graziela dos Santos Galdino de Souza, assistente social da Cohab Campinas, muitas vezes o idoso não entende que a criança precisa brincar para se desenvolver e por isso acaba fazendo barulho. “Ao mesmo tempo, a criança, o adolescente não tem paciência com o idoso, que não sabe tudo, que faz as coisas de maneira diferente. A proposta era exatamente essa, mostrar a necessidade de respeito e de uma convivência saudável entre as gerações”, aponta Graziela.

 

Ainda de acordo com Maria Virgínia, também é preciso pensar no âmbito de políticas públicas que atendam às necessidades de todas as gerações através dos estatutos (da criança, do adolescente, do idoso) e em todas as esferas (municipal, estadual e federal).

 

Outra atividade proposta foi uma aula de zumba, com o dançarino e coreógrafo da cantora Cláudia Leitte, Julio Lima. Graziela diz que a aula de dança permite mostrar que os idosos podem e precisam se movimentar.

 

Para Lima, que trabalha no ramo há mais de 20 anos, a dança é uma maneira de agregar cultura à vida das pessoas. “Além de melhorar a condição física, a dança permite uma integração social, a criação de um pensamento diferente. Vejo a dança como a porta de entrada para a cultura, para uma atração maior pela arte”, explica. Lima faz parte de um grupo de professores voluntários, o Groove 19, que participa constantemente de atividades culturais e voluntárias em Campinas e região.

 

Esse dia diferente contou também com os serviços do CadUnico, para atualização e realização de novos cadastros no sistema do Governo Federal e do ID Jovem, para cadastro de jovens de 15 a 29 anos para descontos em eventos culturais e esportivos, isenção ou desconto em transporte interestadual; corte de cabelo, maquiagem e limpeza de pele, tudo gratuito e realizado por voluntários. “Vemos esse tipo de cuidado como uma maneira de aumentar a autoestima das pessoas”, diz Graziela. “É gratificante ver todo o trabalho que foi realizado até aqui”, finaliza Graziela. O TTS encerra as atividades no Residencial Santa Luzia no final desse mês de outubro, após 12 meses de acompanhamento dos moradores.