Setembro Amarelo: ação marca o Dia Internacional da Prevenção ao Suicídio

Agentes comunitários de saúde que atuam nas regiões dos centros de saúdeBoa Esperança e Vila 31 de Março realizaram na manhã desta terça-feira, 11 de setembro, na Praça Omar Cardoso, no Jardim Flamboyant, a Caminhada pela Vida – Setembro Amarelo. Cerca de 50 pessoas participaram do ato.

 

 

A ação marca o Dia Internacional da Prevenção ao Suicídio, celebrado em 10 de setembro. Com isso, todos os participantes foram de amarelo. Segundo a psiquiatra Maryane Chanquete Pisce, a caminhada foi desenvolvida com o objetivo de alertar a população a respeito do suicídio. “É importante falarmos sobre o assunto e tem que ser falado com todos. Temos que ouví-los e temos que falar também. O sofrimento de cada um é diferente. Temos que ter empatia pelo outro”, disse.

 

 

A caminhada contou com quatro etapas. Na primeira, em um círculo, todos se deram as mãos. Na segunda, foi promovida uma dança para movimentar o corpo. Na sequência, uma roda de conversa aberta em que todos puderam compartilhar suas histórias e, por último, uma caminhada em volta da praça.

 

 

Para a agente comunitária Mirian Aparecida, a caminhada na rua estabelece sensações diferentes. “Promove a socialização entre todos. Ficamos em contato com a natureza e a energia é diferente. Conseguimos tirar as pessoas de casa e isso acaba chamando a atenção e atraindo mais gente. Particularmente, gostamos muito”, disse.

 

 

Ivani Vieira Lopes, 47 anos e dona de casa, contou que participar do evento foi importante para ela. “Fazer caminhada tira o estresse. A gente esquece dos problemas, faz bem para cabeça e para saúde. Eu venho passando por problemas em casa e fazer caminhada me ajudou a relaxar. Eu gosto muito”, afirmou.

 

 

Oracelia Aparecida dos Santos, 57 anos e dona de casa, disse que depois que conheceu o grupo, não parou mais de ir. “Faz muito bem para mim. Eu conheço pessoas novas, converso com elas e caminho”, disse.

 

 

Vale lembrar que os centros de saúde promovem reuniões em grupos e práticas que movimentam o corpo como caminhadas, danças circulares, e lian gong (terapia corporal), semanalmente. Em lugares diferentes, e de acordo com o tema do mês. O enfoque é o público adulto, explica a agente comunitária, Mirian Aparecida.