Prefeitura inicia segunda fase do projeto de arborização da Glicério

Teve início na noite desta quarta-feira, 21 de fevereiro, a implantação da segunda fase do projeto de arborização da Avenida Francisco Glicério, com a instalação de grandes vasos com árvores de espécies nativas sobre as calçadas. Se as condições climáticas permitirem, até o final da próxima semana, o trecho da avenida compreendido entre as avenidas Orosimbo Maia e Aquidabã contará com as cerca de 100 floreiras que propiciarão um novo visual à via. Para não causar transtornos ao trânsito, o trabalho é realizado entre as 20h30 e as 3h30.

 

Neste período ocorrerá também a substituição de 10 árvores instaladas na primeira fase do projeto que não passaram nos testes de padrão de qualidade da Secretaria do Verde, Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (SVDS), além de um espécime que morreu. Os trabalhos contam com o apoio operacional da Emdec, da Secretaria de Serviços Públicos e da Sanasa.

 

O projeto de arborização da Francisco Glicério teve início em dezembro passado, quando foram implantados cerca de 70 vasos nas calçadas da avenida. Coordenado pela Secretaria do Verde, Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (SVDS), o projeto é resultado de uma compensação ambiental feita pela construtora MRV. A empresa será responsável também pela manutenção das árvores pelo período de dois anos.

 

Projeto

 

O projeto de arborização da Avenida Francisco Glicério consiste na implantação de cerca de 100 árvores das espécies ipês amarelos, ipês rosas, pau brasil, copaíba, entre outras, no trecho entre a Orosimbo Maia e o pontilhão da Aquidabã.

 

São árvores jovens, que já possuem cerca de 2 metros e meio de altura, e podem chegar a três ou quatro metros de altura quando adultas. As espécies foram selecionadas e pesquisadas para que houvesse, num período curto, a adaptação ao ambiente da avenida, levando ao centro da cidade mais saúde e qualidade de vida. As espécies têm como característica comum o fato de possuírem copas grandes, o que favorece a formação de áreas de sombra na avenida.

 

As árvores foram plantadas em caixas de aço de grande porte. Não foram plantadas no chão porque as raízes poderiam prejudicar a fiação subterrânea instalada na revitalização da avenida. Os vasos estão posicionados em locais estratégicos de forma que não interfiram no trânsito de carros, de pedestres e no fluxo do comércio.

 

Grafite

 

Os vasos foram grafitados com imagens de animais nativos da Mata Santa Genebra e de outros ambientes do Brasil, como a arara azul e a onça pintada. As obras foram produzidas pelo artista plástico Alexandre Filiagi.

 

“Além de combater a poluição visual, com o grafite, o projeto de paisagismo propicia mais qualidade de vida aos usuários da via, uma vez que as árvores absorvem o gás carbônico (CO2) e filtram as partículas de poeira no ar”, diz o secretário da SVDS, Rogério Menezes.