Oficina de leitura inclusiva reúne professores em Campinas

 

Na última sexta-feira, dia 13, professores, bibliotecários e profissionais da educação participaram de uma oficina gratuita de leitura inclusiva promovida pela Fundação Dorina Nowill para Cegos em parceria com a Secretaria Municipal de Assistência Social, Pessoa com Deficiência e Direitos Humanos.

 

 

 

Segundo o diretor do Departamento de Gestão das Políticas da Pessoa com Deficiência, Paulo Guimarães, a oficina era aberta e teve boa adesão, com mais de 30 participantes, inclusive profissionais de outras cidades da região como Jundiaí, Paulínia, Hortolândia, Sumaré, Indaiatuba e Itatiba. “Essa parceria foi muito importante para que pudéssemos promover um curso de qualificação com o intuito de melhorar o acesso aos livros e à cultura para pessoas com deficiência visual”. O diretor contou ainda que a Secretaria pretende dar continuidade à parceria com a Fundação com a realização de outros cursos.

 

 

 

A oficina foi ministrada por Célia Giglio, da Fundação Dorina Nowill e abordou temas como a pessoa com deficiência visual e a leitura, acessibilidade e o uso dos livros em formato acessível. Outros tópicos como orientações técnicas e práticas sobre o uso do livro Daisy e informações sobre o ePub3 também foram discutidos.

 

 

 

O curso faz parte do projeto Leitura Digital Acessível que produzirá 12 mil livros em formato Daisy (Digital Accessible Information System), para serem distribuídos sem custo a 1 mil instituições paulistas como bibliotecas, escolas públicas e projetos sociais. Os títulos se dividem entre livros infantis, infanto-juvenis, clássicos nacionais e internacionais, bestsellers e quadrinhos.

 

 

 

Os livros do projeto Leitura Digital Acessível têm mecanismos de buscas por palavras, são editados com notas de rodapé opcionais, marcadores de texto, soletração, leitura integral de abreviaturas e de sinais e pronúncia correta de palavras estrangeiras. Disponíveis em CDs, os livros são feitos com gravação de voz humana na leitura das obras.

 

 

Para saber mais e acompanhar a agenda de oficinas em outras cidades envolvidas acesse o site www.redeleiturainclusiva.org.br.