Obras do Corredor BRT Ouro Verde têm nova etapa na Avenida Ruy Rodriguez

As obras do Corredor BRT (Bus Rapid Transit, Ônibus de Trânsito Rápido) Ouro Verde avançam para novo estágio na Avenida Ruy Rodriguez. Na terça-feira, dia 21 de agosto, a partir das 10h, tem início o bloqueio parcial de trecho de 460 metros da avenida, entre a Rua Dr. José Roberto Lucas e a Avenida Aglaia, na região do Parque Universitário de Viracopos. O local irá receber a construção de pavimento, com previsão de obras por seis meses.

 

 

 

A ação provoca interdição parcial da Avenida Ruy Rodriguez. As pistas de rolamento junto ao canteiro central, tanto no sentido Centro – bairro, como também no sentido bairro- Centro, ficarão fechadas. Já as pistas à direita, em cada sentido, estarão liberadas ao tráfego.

 

 

 

Também serão bloqueados os cruzamentos da Ruy Rodriguez com as vias transversais: Cauim, Croata, Camacã e Aglaia. Será possível cruzar a Ruy Rodriguez pela Rua Aba, em ambos os sentidos, em ponto semaforizado.

 

 

 

“O BRT é a principal obra na área de Mobilidade Urbana que o município recebe nos últimos 40 anos. Na etapa atual, o projeto avança para locais vivos e é impossível fazer uma obra dessa proporção em via urbanizada e com trânsito sem impactos. Por isso, criamos um plano operacional para que as obras aconteçam com o menor transtorno possível”, destaca o secretário de Transportes e presidente da Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec), Carlos José Barreiro.

 

 

 

Ações operacionais 

 

Como forma de minimizar os impactos viários da nova etapa de obras do BRT, a Emdec adota várias medidas operacionais. Uma delas é a indicação de rota alternativa para o motorista que não quer seguir pelo trecho em obra. Placas de aviso e indicação das rotas estão em processo de implantação.

 

 

 

Tapumes serão instalados ao longo de todo o trecho em obras, no decorrer do dia 21. Agentes da Mobilidade Urbana irão circular pela região para operacionalizar o trânsito nas rotas alternativas. 

 

 

 

Para garantir fluidez viária nas faixas liberadas, fica proibido o estacionamento de veículos ao longo de todo o trecho em obras, em ambos os sentidos. A velocidade máxima permitida na região será de 30 km/h. 

 

 

 

Aos comerciantes e pais de alunos da Escola Estadual “Professor Benevenuto Torres”, que costumam trafegar pelo trecho, a Emdec orienta que a parada e o estacionamento de veículos sejam feitos nas vias transversais liberadas.

 

 

 

Rotas alternativas

 

Para os motoristas que preferem evitar o trecho em obras, a Emdec indica duas rotas alternativas. No sentido Centro – bairro, o trajeto alternativo tem cerca de 1,3 km de extensão e abrange as vias Professor José Roberto Lucas, Anaturi e Aglaia.

 

 

No sentido inverso, bairro – Centro, o acesso pode ser feito pelas vias Camucim (continuação da Ruy Rodriguez), Aglaia, Aguapé e Arymana, compreendendo cerca de 1,8 km de extensão.

 

 

Os trajetos alternativos não serão utilizados pelos ônibus do transporte público coletivo municipal, uma vez que o itinerário continua sendo pela Avenida Ruy Rodriguez.

 

 

“Estamos realizando as intervenções necessárias para preservar a fluidez viária no entorno da obra. Após a efetiva implantação dessas medidas, caso necessário, faremos ajustes”, completa Barreiro. 

 

 

A nova etapa das obras do Corredor BRT Ouro Verde promove ainda mudanças em pontos de ônibus da Rua Cauim. No decorrer do dia 21, terça-feira, os pontos de ônibus localizados na via serão remanejados, nos dois sentidos. 

 

 

A medida afeta as linhas 101 – Parque Universitário / Terminal Ouro Verde e 102 – Recanto do Sol / Terminal Ouro Verde. Agentes da Mobilidade Urbana atuarão no local, indicando os pontos alternativos aos usuários do transporte público.

 

 

A Avenida Ruy Rodriguez tem uma circulação média diária de 42,9 mil veículos.

 

 

 

Etapa

 

Essa nova etapa de obra está dentro do trecho 3 do Lote 4 do BRT campineiro. O Lote 4 compreende os trechos 2 e 3 do Corredor Ouro Verde, fazendo a ligação da Estação Campos Elíseos até o Terminal Vida Nova. São 9,8 km de extensão.

 

 

 

O trecho 2 vai da Estação Campos Elíseos até o Terminal Ouro Verde, com 5,7 km. E o trecho 3 liga o Terminal Ouro Verde até o Terminal Vida Nova, com 4,1 km. O responsável pelo Lote 4, que tem valor total de R$ 104,9 milhões, é o Consórcio BRT Campinas (Artec; Metropolitana).

 

 

 

Outras frentes de trabalho deste lote estão em execução a todo vapor na Avenida Ruy Rodriguez. A primeira está concentrada entre as ruas Piracicaba e Maria Julieta Godoi Cartezani. Esse trecho compreende 1,2 km, onde será construída a futura Estação Santa Lúcia.

 

 

 

A outra frente ocorre no entroncamento da Avenida Ruy Rodriguez com a Rua Antônia Ceregatti Albieri. No local, ocorre a construção de uma ponte sobre o rio Capivari, no sentido Centro – bairro.

 

 

 

Projeto 

 

O BRT contempla estações de transferência e infraestrutura adequada; veículos articulados ou biarticulados; corredores exclusivos com espaços para ultrapassagens; embarque e desembarque pela esquerda (junto ao canteiro central das avenidas); embarque em nível; e pagamento desembarcado. O sistema será mais seguro, rápido, eficiente e confiável.

 

 

 

Os três corredores BRT do município – Campo Grande, Ouro Verde e Perimetral – têm custo total de R$ 451,5 milhões. São 36,6 km de corredores, com previsão de conclusão total em meados de 2020.

 

 

 

O BRT Campo Grande terá 17,9 km de extensão, saindo da região central, seguindo pelo leito desativado do antigo VLT, Avenida John Boyd Dunlop, passando pelo Terminal Campo Grande e chegando ao Terminal Itajaí. Serão construídas 12 obras de arte (pontes e viadutos).

 

 

 

O BRT Ouro Verde terá 14,6 km de extensão, saindo da região central, seguindo pelas avenidas João Jorge, Amoreiras, Ruy Rodriguez, passando pelo Terminal Ouro Verde, Camucim até o Terminal Vida Nova. Nesse trajeto serão construídas quatro obras de arte (pontes e viadutos).

 

 

 

Entre os dois corredores, haverá um corredor perimetral, chamado de BRT Perimetral, com 4,1 km de extensão, ligando a Vila Aurocan até o Campos Elíseos, seguindo pelo leito desativado do VLT.