Emdec promove visitas monitoradas às obras de implantação do BRT

O prefeito de Campinas, Jonas Donizette, participou nesta sexta-feira, dia 28 de setembro, de visita monitorada às obras de implantação dos corredores BRT (Bus Rapid Transit – Ônibus de Trânsito Rápido) no município. Durante evento na Estação Vila Teixeira / IAPI, que integra o Corredor BRT Campo Grande, o prefeito Jonas assinou Ordem de Serviço (OS) para a construção das estações Aurocan, Jardim Miranda, Cidade Jardim e Pompéia. As quatro estações estão no Corredor BRT Perimetral.

 

 

 

Na cerimônia, que teve a presença de secretários municipais, vereadores, técnicos da Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec) e empregados da obra, o prefeito revelou uma novidade. “Vou pedir um estudo para fazer um projeto de iluminação para os corredores BRT. Um projeto moderno, que contenha as tecnologias mais novas, com lâmpadas à LED (Light Emitting Diode – Diodo Emissor de Luz). Para dar mais segurança à noite, para os usuários (do transporte) e moradores da região”.

 

 

 

Desde o último dia 26 de setembro, a Emdec realiza visitas às obras do BRT. O objetivo é de dar transparência e visibilidade aos trabalhos que já foram executados. “Essa foi uma boa oportunidade das pessoas conhecerem esse grandioso projeto, que irá transformar o transporte público e o sistema viário de importantes corredores do nosso município. O BRT é a principal obra na área de Mobilidade Urbana que Campinas recebe nos últimos 40 anos”, afirmou o secretário de Transportes e presidente da Emdec, Carlos José Barreiro.

 

 

 

As visitas também integraram as ações dentro da programação da Semana Municipal do Trânsito 2018. Nesta sexta, 28, o passeio contemplou vereadores e imprensa. Na quinta-feira, 27, grupo de secretários municipais e equipe, além de membros do Conselho Municipal de Trânsito e Transporte (CMTT). E na quarta, 26, grupo de funcionários da área administrativa da Emdec, que conheceu os principais locais com obras. “Essa é a principal obra de infraestrutura de Mobilidade que está acontecendo no Brasil”, revelou o prefeito na cerimônia.

 

 

 

Roteiro

 

Nos três dias, as visitas contemplaram os seguintes locais:

 

 

 

– Corredor Campo Grande (antigo leito do VLT):

 

Estação Rodoviária

 

Estação Bonfim

 

Estação Vila Teixeira / IAPI (Parada com desembarque)

 

 

 

– Corredor Perimetral (antigo leito do VLT):

 

Trecho com pavimento entre Aurocan até Vila Pompéia

 

 

 

– Corredor Ouro Verde

 

Estação Campos Elíseos

 

Estação Santa Lúcia

 

Passagem sobre o rio Capivari

 

Avenida Camucim

 

 

 

– Corredor Campo Grande

 

Terminal Satélite Iris

 

Passagem sob linha férrea Jardim Florence

 

 

 

O passeio foi realizado em ônibus padrão BRT, acompanhado por dois agentes da Mobilidade Urbana em motos. Também por veículo da segurança patrimonial da Emdec e Guarda Municipal (GM). Novas visitas deverão ser programadas.

 

 

 

BRT

 

O BRT campineiro contempla estações de transferência e infraestrutura adequada; veículos articulados ou biarticulados; corredores exclusivos com espaços para ultrapassagens; embarque e desembarque pela esquerda (junto ao canteiro central das avenidas); embarque em nível; e pagamento desembarcado. O sistema será mais seguro, rápido, eficiente e confiável.

 

 

 

O BRT Campo Grande terá 17,9 km de extensão, saindo da região central, ao lado do Terminal Mercado, seguindo pelo leito desativado do antigo VLT, Avenida John Boyd Dunlop, passando pelo Terminal Campo Grande e chegando ao Terminal Itajaí. Serão construídas 12 obras de arte (pontes e viadutos).

 

 

 

O BRT Ouro Verde terá 14,6 km de extensão, saindo da região central, do Terminal Central, seguindo pelas avenidas João Jorge, Amoreiras, Ruy Rodriguez, passando pelo Terminal Ouro Verde, Camucim até o Terminal Vida Nova. Nesse trajeto serão construídas quatro obras de arte (pontes e viadutos).

 

 

 

Entre os dois corredores haverá um corredor perimetral, chamado de BRT Perimetral, com 4,1 km de extensão, ligando a Vila Aurocan até o Campos Elíseos, seguindo pelo leito desativado do VLT.

 

 

 

Os três corredores BRT do município – Campo Grande, Ouro Verde e Perimetral – tem custo total de R$ 451,5 milhões. Serão 36,6 km de corredores, com tempo total de obras de três anos, com entrega em meados de 2020.

 

 

 

Lotes

 

A elaboração dos projetos executivos e realização das obras dos três corredores BRT foram divididas em quatro lotes.

 

 

– Lote 1: compreende o trecho 1 do Corredor Campo Grande, que é a ligação entre a região central até a Vila Aurocan, com extensão de 4,3 km; além de todo corredor perimetral, com 4,1 km. O responsável pelo Lote 1 é o Consórcio Corredor BRT Campinas, formado pela D. P. Barros, Trail, Arvek, Enpavi e Pentágono. O valor total do lote é de R$ 88,9 milhões.

 

 

 

– Lote 2: trechos 2, 3 e 4 do Corredor Campo Grande. Esses trechos contemplam a ligação da Vila Aurocan até o Terminal Itajaí, totalizando 13,6 km. O trecho 2 é da Vila Aurocan até o viaduto sobre a Rodovia dos Bandeirantes, com 5 km. O trecho 3 compreende o viaduto da Rodovia dos Bandeirantes até o Terminal Campo Grande, totalizando 6,4 km. E o trecho 4, do Terminal Campo Grande até o Terminal Itajaí, totalizando 2,2 km. Responsável: Empresa Construcap – CCPS Engenharia e Comércio. Valor total do lote: R$ 191,1 milhões.

 

 

 

– Lote 3: trecho 1 do Corredor Ouro Verde, que liga a região central até a Estação Campos Elíseos, com 4,8 km de extensão. Responsável: Empresa Compec Galasso. Valor total do lote: R$ 66,5 milhões.

 

 

 

– Lote 4: trechos 2 e 3 do Corredor Ouro Verde, que compreende a ligação da Estação Campos Elíseos até o Terminal Vida Nova, totalizando 9,8 km de extensão. O trecho 2 vai da Estação Campos Elíseos até o Terminal Ouro Verde, com 5,7 km. E o trecho 3 liga o Terminal Ouro Verde até o Terminal Vida Nova, com 4,1 km. Responsável: Consórcio BRT Campinas (Artec; Metropolitana). Valor total do lote: R$ 104,9 milhões.