Defesa Civil e Dpbea promovem chipagem em bairro com risco de enchente

O que fazer com os cães e gatos em meio a uma grande enchente? O que fazer para não se perderem dos seus donos e nem morrerem no caso das cheias de rios ou inundações? A Defesa Civil de Campinas e o Departamento de Proteção e Bem-Estar Animal (DPBEA), da Secretaria Municipal do Verde, Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, traçaram uma estratégia de salvamento dos animais domésticos para situações como essas.

Os dois órgãos vão promover neste domingo, 21 de janeiro, um dia de chipagem de cães e gatos, em um bairro rural vulnerável às cheias do rio Atibaia: o Piracambaia, em Barão Geraldo. Os animais domésticos do Piracambaia receberão chip de identificação para que não sejam abandonados ou morram no caso de enchentes. Pela primeira vez essa ação será realizada na cidade para este propósito.

A região do Piracambaia é a área de maior risco em Campinas porque além de ser margeada pelo Rio Atibaia, há um complexo de dez lagoas, o que aumenta ainda mais o desafio para ações de resgate em situações de enchente.

A Prefeitura, em parceria com a Associação de Moradores do Bairro Piracambaia e o Governo do Estado, desenvolveu um plano de salvamento de vidas, que já inclui pessoas. Esse plano faz parte do Projeto Comunidade Resiliente que tem como principal objetivo melhorar a capacidade de resposta do município às situações de risco.

A Defesa Civil já instalou, no Piracambaia, um sensor de alagamento que alerta os moradores e facilita ações de salvamento. O mesmo órgão também já realizou treinamento com a participação da comunidade local. Na ocasião, a Sanasa contribuiu com a instalação de um reservatório coletivo de mil litros de água potável para ser usado em caso de isolamento da comunidade.