Ciranda Literária comemora 10 anos na Biblioteca Municipal neste sábado

A Ciranda Literária deste sábado, 30 de setembro, será especial, afinal serão comemorados dez anos de realização do evento, que acontece todo último sábado do mês, na Biblioteca Municipal Ernesto Manoel Zink. O público terá uma programação especial, com início às 10h.

A agenda inclui o lançamento do livro “Raízes”, de uma das poetisas populares que inspirou a criação e acompanhou a trajetória das Cirandas ao longo destes anos, Marlene Gomes. Será exibido o curta-metragem “As Sete Cirandas”, documentário produzido pelo professor Alberto Nasiasene sobre os saraus, e haverá apresentação do Coral do SinPro (Sindicato dos Professores), além das intervenções dos poetas, compositores e músicos.

As Cirandas surgiram como um espaço de integração para escritores da cidade e atraiu aqueles que buscavam um encontro que não possuísse restrições estéticas, estilísticas, geracional ou de gênero literário. “Conseguimos atrair os mais diversos perfis da produção de nossa literatura, estruturada desde a formação erudita até as práticas da oralidade literária popular, muitas vezes ancorada no nosso cancioneiro: literatura oral, sertaneja, poesia de vanguarda estética, poesia militante, literatura religiosa. Tudo isso se mesclou no cadinho pluralista de uma atividade cultural pública. Partimos do pressuposto de que literatura é aquilo que se produz como narrativa, dentro da dinâmica da vida em que nos inserimos, sem presunções estéticas, estilísticas ou de natureza político-ideológicas”, afirma o coordenador da atividade, Ronaldo Simões Gomes, conhecido como Batata. 

“A atividade fez confluir vários grupos organizados de nossa literatura e escritores e aficcionados em literatura de nossa cidade, e se expandiu pela região, atraindo gente de Hortolândia, Americana, Jaguariúna e Piracicaba”, completa.

Segundo o coordenador, a partir das atividades dos saraus, nomes se projetaram, produções dormentes em gavetas ganharam espaços públicos, edições se perfizeram. “Para tudo isso, não houve o exercício da crítica literária, nem das querelas estilísticas; o grande elemento de adensamento dessa produção foi o cotejo, frente a frente, entre os diversos estilos e propostas literárias, o reconhecimento de outras formas do dizer poético e literário, ou mesmo o eco da própria voz, projetando o escritor em cena nas expressões daqueles que com ele compunham a Ciranda, contribuindo para a construção de novas obras, de novos fazeres da literatura”, destaca.

 

 

Serviço 

Cirandas Literárias

Quando: sábado, 30 de setembro

Onde: Biblioteca Municipal Ernesto Manoel Zink (Rua Benjamin Constant, 1633. Centro. Campinas).

Entrada gratuita.