Campinas aplicou mais de 15,4 mil doses de vacina durante o Dia D

A Secretaria de Saúde de Campinas aplicou mais de 15,4 mil doses das vacinas contra poliomielite e sarampo durante o Dia D, que aconteceu no último sábado, dia 4 de agosto. Contra pólio, foram vacinadas 7.772 crianças, 13,70% do público-alvo. Já contra sarampo, foram imunizadas 7.630 crianças, de zero a 4 anos, 11 meses e 29 dias (13,43%).

 

 

O segundo Dia D da Campanha de Vacinação será no dia 18 de agosto, também sábado. Na ocasião, todos os centros de saúde e outros postos volantes estarão abertos para vacinar as crianças.

 

 

 

Para receber as doses, é preciso levar documento e carteira de vacinação. A meta é vacinar 95% das 56.790 crianças nesta faixa etária. Durante a semana, as vacinas estão disponíveis em todos os centros de saúde.

 

 

 

Em julho, a Secretaria de Saúde de Campinas fez um alerta para os casos de sarampo no Brasil e chamou a atenção das pessoas para a vacinação.

 

 

 

“Além dos dois dias D, faremos uma série de ações durante o mês de agosto para atingir a meta, que é vacinar 95% das crianças que fazem parte do público-alvo. É importante que os pais levem seus filhos ao Centro de Saúde mais próximo e atualizem a carteira de vacinação, principalmente para essas duas vacinas que são o foco da Campanha neste momento”, afirma a diretora do Devisa, Andrea von Zuben.

 

 

Sarampo

 

O sarampo é uma doença infecciosa aguda, de natureza viral, grave, transmitida pela fala, tosse e espirro. É extremamente contagiosa, mas pode ser prevenida pela vacina. Pode ser contraída por pessoas de qualquer idade.

 

 

 

Em 2016, o Brasil recebeu da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) o certificado de eliminação da circulação do vírus do sarampo. Atualmente, empreende esforços para manter o certificado, já que o país registrou surtos e casos isolados da doença. Campinas não tem registros de sarampo. No entanto, existe a necessidade da vacina, já que há casos confirmados em outros locais.

 

 

 

Atualmente, o Brasil enfrenta dois surtos de sarampo: em Roraima e no Amazonas. Além disso, alguns casos isolados foram identificados nos estados de Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Pará, Rondônia e São Paulo. O reaparecimento da doença está relacionado às baixas coberturas vacinais no País. Em Campinas, dados parciais de 2018 mostram que a cobertura da primeira dose da vacina (tríplice viral) está por volta de 96,09%. Já em relação à segunda dose, é de cerca 77,7%.

 

 

No mundo, há registros de casos de sarampo em alguns países da Europa e das Américas.

 

 

Os sintomas do sarampo são:

 

Febre alta, acima de 38,5°C;

 

Dor de cabeça;

 

Manchas vermelhas, que surgem primeiro no rosto e atrás das orelhas, e, em seguida, se espalham pelo corpo

 

Tosse;

 

Coriza;

 

Conjuntivite;

 

Manchas brancas que aparecem na mucosa bucal conhecida como sinal de koplik, que antecede de 1 a 2 dias antes do aparecimento das manchas vermelhas.

 

 

Sobre a Poliomielite

 

De acordo com dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), três países ainda são considerados endêmicos (Paquistão, Nigéria e Afeganistão). O Brasil está livre da poliomielite desde 1990. Em 1994, o país recebeu, da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), a Certificação de Área Livre de Circulação do Poliovírus Selvagem.