Abastecimento de hortifrútis começa a ser retomado na Ceasa Campinas

O abastecimento na Ceasa Campinas começou a ser retomado nesta quarta-feira, 30 de maio. A disponibilidade de produtos hortifrutigranjeiros chegou a cerca de 35% (na terça-feira, 29, era de apenas 5%). “Havendo a liberação da circulação dos veículos nas estradas, até domingo nós deveremos ter o mercado com 75% da capacidade”, informou o diretor técnico-operacional da Ceasa, Claudinei Barbosa. Mais de mil caminhões chegaram ao entreposto nesta manhã (o normal, em dias de mercado, é a movimentação de 3 mil a 3,5 mil veículos de carga).

 

 

O prejuízo estimado já ultrapassa os R$ 30 milhões em produtos que não foram comercializados no entreposto desde o início da paralisação. Já os preços continuam estáveis em relação ao início da semana, com alguns produtos ainda com valor elevado para o público geral (cliente não fidelizado), como a batata e o tomate. A tendência, no entanto, é que esses preços se normalizem à medida em que o abastecimento seja retomado.

 

O diretor-presidente da Ceasa Campinas, Wander Villalba, disse que os efeitos da greve dos caminhoneiros dentro das centrais de abastecimento em todo o Brasil “são bastante dramáticos”, mas que a situação está melhorando. “Estamos torcendo para que a normalidade volte o mais rápido possível e que a gente consiga dar fluidez às mercadorias e ao abastecimento geral”, disse Villalba.

 

 

 

Mercado de Flores

 

No Mercado de Flores o movimento continua bem abaixo do normal. Segundo o gerente do mercado, Alexandre Valle, o número de boxes abertos nesta quarta-feira se manteve estável em 20%, de um total de 340 comerciantes de flores, plantas e acessórios para jardinagem. “Nesta semana o movimento ainda vai ser fraco, até porque temos um feriadão no meio. Acredito que só a partir da próxima segunda-feira é que vamos retomar a normalidade”, disse. 

 

O Mercado de Flores é o maior mercado permanente de flores e plantas ornamentais da América Latina. A Ceasa Campinas é a quarta maior central de abastecimento do País e movimenta, anualmente, cerca de 700 mil toneladas em produtos hortifrutigranjeiros, flores, plantas e acessórios, numa área total de 500 mil metros quadrados, às margens da Rodovia D. Pedro I.